A difícil arte de malhar sem parecer uma piriguete

Ontem, em mais um momento contemplativo da fauna da academia, tive uma revelação importantíssima acerca do piriguetismo. Ser piriguete é um estado de espírito que vai muito além da roupa que se veste.

Se você é aprendiz de piriguete (ou já exerce) e caiu neste blog por acaso, há de concordar comigo. Não basta usar uma malha de ginástica colada na bundjinha para se dizer do babado. Tem que ter borogodó, um jeito sacana de vestir uma burca e parecer uma devassa.

Uma loura (a mesma de sempre citada neste blog ) foi a causadora deste momento catártico. Torneava-lhe os músculos uma calça que eu mesma usaria, mas nela… Nela tinha um quê qualquer de sacanagem que me constrangia como uma piada suja envergonharia uma donzela. Não, não… não sou santa e nem pretendo ser. Se eu fosse um personagem de Jorge Amado, não seria aquela a mandar fechar o puteiro. O leitor fique tranquilo.

Mas a loura é demais, menino. É demais.

Confesso que esta descoberta sobre o piriguetismo me aliviou. Ando encucada com uma compra que fiz.  Antes que alguém me imagine em roupas de fazer corar um padre, pare já! Tá, vai… Comprei (e usei) uma vestimenta pra lá de ousada… uma calça rosa metálica (calça de cirré) que tem me gerado um certo conflito na hora de vestir.

Tá na moda. É divertido, mas na hora de adquirir a peça cometi o erro grave de não fazer a clássica pergunta : A Kate Midleton usaria? Bem, se é rosa e metálico ao mesmo tempo, acho que nem preciso responder. É muita ousadia fashion.

Ontem eu mais que vi, eu senti que posso usar o que quiser. A pessoa faz a roupa e não a roupa faz a pessoa. É tudo uma questão de bom senso. Enquanto fazia meus agachamentos no Hack (odeio, por sinal) me mirava no espelho.

Continuo me achando uma lady, not a tramp. Obrigada, galega.

Anúncios

Sobre Fabiana Amorim

Filha de uma mãe e mãe de um filho. Escrevinhadora rodrigueana que tenta ser uma boa pessoa quando tem vontade. Ou não.
Esse post foi publicado em Corridas. Bookmark o link permanente.

9 respostas para A difícil arte de malhar sem parecer uma piriguete

  1. Jorge disse:

    Li todos os textos publicados hoje, esse último é bem rodriguiano, salve, Nélson!!!
    Quem me garante que o Sobrenatural de Almeida não estaria no recinto aguardando o strip da loira em questão ?
    Bons treinos e vá com calma, o pior já passou.
    Abraço;

  2. Fabi,
    Me diverti com este post. Acho que podes ir aliviada pra rua com sua nova aquisição. O importante é ser feliz, com a compra e na corrida.
    Super beijo
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com.br

  3. Drica Peixoto disse:

    Bons treinos Lady 🙂
    Em abril estarei em Recife para correr com minha equipe querida, ACO.RJ.A.

  4. Rafaelle Campos disse:

    Mas a loura é demais, menino! hehehehe A boba faz da academia um templo para as questões mais profundas da alma feminina ” Ser ou não ser piriguete?” Tenho que concordar que para ser uma é preciso ter o dom, um talento natural, um quê qualquer que a mocinha aí não tem… Sinto dizer, mas nesse quesito és amadora, bobete. Terias que ralar um bocado para fazer parte da turminha da loura. Bejios, querida Leopoldina.

  5. Vanessa disse:

    Que saudade de lê teus posts… me divirto demais!!
    Saudades de vê teus posts de corrida!
    Abraço
    Vanessa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s